Potencialidades de investimentos

 

Boas condições agro-climáticas para a cultura do algodão especialmente nas regiões Norte e Centro, onde esta cultura se pratica com poucos insumos (pesticidas) em sequeiro, sem grandes constrangimentos de natureza hídrica. Entretanto, a região sul revela-se com potencial baixo em consequência da irregularidade das chuvas.

Cerca de 200 mil famílias produzem algodão em Moçambique, beneficiando aproximadamente 1 milhão de pessoas nas zonas rurais, onde, na maioria dos casos a única fonte segura de renda familiar é a comercialização do algodão caroço. Na presente campanha 2016/17 a área de produção é de 114,068 hectares e espera-se produzir cerca de 52 mil toneladas de algodão caroço.

O algodão é um dos produtos de exportação mais importante para Moçambique, ocupando o 4º lugar no ranking dos produtos agrários de exportação e o 7º lugar no geral. Contribui positivamente para o equilíbrio da balança de Pagamento do País.

A cultura, ao longo da sua cadeia de valor cria mais de 25 mil postos de trabalho entre sazonais e permanentes e é negócio para 13 empresas, das quais 2 são multinacionais.

 

Em relação as infras-estruturas de processamento do algodão caroço, existem 15 fábricas de descaroçamento, operando neste momento 12 fábrica e mesmo estas laboram muito abaixo da sua capacidade instalada, devido a limitação de matéria-prima.

Desafios e oportunidades de investimento no algodão

Desafios

Atingir 200.000 toneladas de algodão caroço até final da implementação do PEDSA de:

  1. Melhorar a produtividade (de 700kg/ha para 1200kg/ha);
  2. Aumentar a produção de algodão comercial (0,2% para 50% de participação);
  3. Adicionar o valor da fibra e sub-produtos do algodão.

 Oportunidades de investimento

  1. Promover rápido aumento da produção comercial do algodão, em sequeiro ou em irrigado;
  2. Promover produtores avançados em blocos concentrados;
  3. Fomento na zona norte de Cabo Delgado nos distritos de (Mueda, Nangade, Muidumbe, Meluco, Quissanga, Macomia) em combinação com a produção comercial;
  4. Parceria com empresas titulares de fomento para sector familiar;
  5. Adição de valor de fibra e sub produtos do algodão
  6. Indústria têxtil (fiação, Tecelagem e malhas)
  7. Gazes e algodão hospitalar;
  8. Óleo, sabões e ração animal;
  9. Prestação de serviços de colheita mecânica e pulverização aérea.

 

Porquê investir no Algodão

Existe vontade e interesse político do Governo de Moçambique em apoiar o desenvolvimento da cadeia de valor do algodão;

Existência de grandes regiões agro-ecologicas aptas para o cultivo a comercial do algodão no País;

Tradição, hábito, e habilidades das comunidades rurais no cultivo do algodão;

Existência de um instituto de tutela que apoia continuamente aos actores;

Existência de um centro de pesquisa especializado, com terras e infra- estruturas para o desempenho das suas tarefas, gerando resultados para o aumento da produção;

Existência de capacidade de descaroçamento local do algodão;

Existência de mercado para fibra e outros sub-produtos do algodão;

Potencialidade de processamento de sub-produtos do algodão;

Potencialidade têxtil (Fiação e tecelagem) intacta.

Existência de zonas francas e de mais facilidades na legislação sobre investimento no País.

Contactos

Av. Eduardo Mondlane, 2221 - Maputo   +258-21-431015/6   This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Sobre Nos

O Instituto do Algodão de Moçambique (IAM) é uma instituição pública tutelada pelo Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar e criada pelo Decreto n° 7/91, de 23 de Abril, cujas atribuições e competências constam do Decreto n° 36/2015, de 31 de Dezembro.