Junho

Ensaque/Separação de Qualidade: Depois do processo de secagem, o algodão caroço deve ser colocado em sacos de algodão ou de juta, compactando o suficiente para alcançar o peso máximo de 30 à 35 Kg por saco, devendo-se ter o cuidado para não quebrar as fibras e o caroço.

Neste processo, o produtor tem mais uma oportunidade de separar o algodão de diferentes qualidades, colocando-o em sacos distintos e marcados para efeito de identificação.

Os sacos de algodão, depois de bem fechados (costurados), de tal forma que não se veja o algodão, devem ser armazenados em local limpo, seco e fresco, sob protecção da chuva, mantido sob todas as condições de segurança para que não haja incêndio, bem como evitar actos que possam causar alguma chama (fogo), tal como fumar, fazer lareira ou cozinhar no local ou ao redor do armazenamento do algodão caroço, mantendo estes cuidados até ao dia do mercado/comercialização.

Os produtores devem tomar o cuidado para não misturar as qualidades do algodão caroço (de primeira e de segunda) no processo de ensaque e armazenamento de sacos, evitar que os sacos se molhem e bem como evitar contaminação por folhas, pedaços de plantas, poeiras, pedras ou outro material estranho, pois podem baixar a qualidade, o valor do algodão e o dinheiro a ser pago pela sua venda.

XII. Transporte de Sacos: Chegado o período de comercialização do algodão caroço, os sacos de algodão são transportados a partir da casa do produtor para os respectivos mercados, pré-estabelecidos pelas empresas de fomento, em coordenação com as autoridades locais. Neste processo, deve-se manter o cuidado para que não haja mistura de qualidades, contaminação ou humidade no algodão.

Contactos

Av. Eduardo Mondlane, 2221 - Maputo   +258-21-431015/6   This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Sobre Nos

O Instituto do Algodão de Moçambique (IAM) é uma instituição pública tutelada pelo Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar e criada pelo Decreto n° 7/91, de 23 de Abril, cujas atribuições e competências constam do Decreto n° 36/2015, de 31 de Dezembro.